sábado, 18 de abril de 2015

Devious Maids - O que os meus olhos andam a ver

Boa tarde!

Todas as séries que sigo estão em pausa, ou ainda não saíram novos episódios e, como cá, as séries são a minha companhia nas minhas horas de refeição, comecei a ver uma nova série. E resolvi seguir os conselhos que apresentei aqui, no início do blogue.
Quis escolher algo diferente daquilo a que estou acostumada a ver. Quis algo mais para a comédia, mais descontraído, mas que mantivesse o mistério.

Assim, a minha escolha recaiu sobre a série Criadas e Malvadas - Devious Maids.


Como foi o primeiro episódio que vi, ainda ando perdida quando aos nomes, e quem trabalha para quem. E eu não sou nada boa em relacionar nomes e caras, por isso, devo andar por aqui perdida ainda durante um tempo.

Mas, resumidamente, o episódio começa com uma patroa, numa festa que estava a dar em sua casa, descobrir que o marido e a empregada andavam envolvidos. Assim, ele ameaça despedir a empregada, caso não deixe o marido em paz, e ele alega que ela é que o seduziu (como sempre, a culpa é da empregada).
Nisto, eles saem, deixando a empregada, a Flora, sozinha. Ela começa a escrever uma nova para o patrão, a dizer que ele sabe bem o que aconteceu, que ela foi violada e, de repente, aparece alguém vestido de preto que a tenta matar.
Ela dá luta, mas acaba por ser esfaqueada, e dirige-se para a piscina, atirando-se lá para dentro, perdendo a vida. As pessoas entram em pânico, e aparece um dos empregados do bar com a faca do crime na mão. 
E a melhor parte foi quando a polícia está a recolher as amostras e diz que já terminaram e a patroa vira-se escandalizada "mas eu perdi a minha empregada! Quem é que vai limpar isto?"



Depois disto, aparecem as amigas da empregada assassinada, todas elas empregadas de famílias ricas lá da zona.


Numa casa trabalha mãe e filha. Os seus patrões é uma cinquentona que não quer envelhecer nem ficar sozinha, e que faz dramas e toma comprimidos para se suicidar. Tem um filho super giro (Drew Van Acker, o Jason da série Pretty Little Liars) por quem a empregada mais nova tem uma enorme queda! E faz de tudo para dar nas vistas.


Noutra casa, pertencente a um homem muito famoso, trabalho uma empregada que tem o sonho de ser cantora. Mas, esse homem tem uma segurança que não permite que ninguém se aproxime ou dirija a palavra a ele. E aqui surge uma série de situações engraçadas em que a empregada tenta mostrar o seu trabalho a ele.


Numa outra casa, em que o casal são ambos ligados à televisão, sendo a mulher uma actriz famosa, trabalha uma empregada que faz de ama do bebé dos patrões, e que teve que deixar o seu filho com a mãe. O seu objectivo é tratar dos papéis para conseguir trazer o filho para junto de si. O problema é que a patroa só quer saber do filho para as câmaras, mas quem passa o tempo todo com ele é a empregada, e não a dispensa para ela ir tratar das burocracias. 

Esta imagem não é do 1º episódio. Mas dá para entender a ideia.

 

Para finalizar, temos a empregada nova da zona, que foi trabalhar também para uma família muito dramática. Ao que parece, ela é a mãe do empregado que foi acusado do crime, e tenta arranjar maneira de provar a sua inocência.



Todas as empregadas são emigrantes, acho que de Porto Rico (pelo sotaque pelo menos parece) excepto a tal que é mãe.


Vi este primeiro episódio e estou super curiosa para ver os restantes. Ver como acaba aquelas confusões dramáticas mas cómicas todas, e saber, afinal, quem é o culpado do crime.

Uma série descontraída e divertida. Aproveitem! :)

1 comentário:

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Muito interessante este seu Blogue mais recente, gostei de o visitar.
Um abraço e bom fim de semana.