segunda-feira, 28 de setembro de 2015

"Bel - o amor para além da morte" - Opinião

Boa tarde, caros soberanos!

Hoje trago-vos a segunda opinião do PLSoberana.

Bel - o amor para além da morte
de Care Santos




Para começar, quero dizer que esta capa é incrivelmente gira! É perfeita, perfeita, perfeita!
O seu tom azul, o tipo de letra, o desenho da rapariga, os desenhos das caveiras e os seus contrastes.
A sério, fiquei completamente apaixonada por esta capa!

Este livro está esgotado e foi uma amiga que mo emprestou (obrigada, Aninhas!). Andava super curiosa por ele. E já matei a curiosidade. E desiludi-me.

Com uma capa tão perfeita e uma sinopse tão tentadora, esperava uma excelente história. E, pensando bem, até é. Penso é que a autora não a escreveu da melhor forma. 

O livro começa com o ponto de vista de Bel. Uma jovem de 16 anos que morreu e não se lembra. Sabe apenas que tem o seu namorado internado, em coma, que, na altura da sua morte, estava na companhia da sua melhor amiga Amanda e que a sua família encontra-se praticamente destruída. Os pais nem se falam e o pai, polícia, anda obcecado em descobrir o que realmente aconteceu com a sua filha, mesmo já tendo sido o caso arquivado.
Quando ela percebe, mais ou menos, em que dia morreu, visita a biblioteca para ver os arquivos do jornais, e descobre que não se chegou a uma conclusão quanto à sua morte. Ou foi um acidente, ou foi ela que se suicidou. Mas não faz sentido que o tenha sido. Bel não se lembra de estar triste. E faz de tudo para descobrir o que realmente se passou naquela fatídica noite, enquanto, durante a noite, vai visitar o seu namorado em coma, conversar e cantar para ele, tentando que ele reaja.
Mas tudo é estranho e ela não consegue perceber nada. Nem aceita a ajuda da Alma, uma medium que conheceu, nem do seu anjo da guarda.
Até que um dia resolve ir exactamente até ao local onde tudo aconteceu. E tudo muda...

Neste momento nós conseguimos desvendar todo o mistério! E ainda nem a meio do livro chegamos. Confesso que fiquei desmotivada em ler o resto. Mas lá fiz o esforço, e acho que aquilo podia ter sido tudo muito bem resumido. Ou então a Bel deveria ter tido aquela ideia mais para o fim do livro, não tão cedo! Retirou todo o encanto ao livro...
E aquele fim (o resto do livro é escrito no ponto de vistas de outras pessoas voltando, no fim, a ser o ponto de vista da Bel) merecia também ser escrito pelo ponto de vista da Amanda, e não só da Bel. Ficou ali a faltar algo...

Custa escrever sobre este livro, porque não posso dizer muito, caso contrário, percebem tudo. E o facto de ter ficado tão desiludida também não ajuda.
Com uma capa tão gira... Fiquei triste...


Classificação - 2 estrelas - Bom, mas desiludiu-me muito.





http://www.bulhosa.pt/images/products/00000239962.JPG 
Páginas: 36
Editor: Editorial Planeta
Sinopse
Bel não reconhece o seu mundo. Não consegue perceber o que se passou pois está tudo muito esquisito! Todas as pessoas de que gostava parecem ter-se transformado em estranhos. E é muito irritante não lhe responderem ou fingir que não a vêem. Não faz a mínima ideia do que está a acontecer, mas está disposta a descobrir; mesmo que tenha de suportar as consequências de saber toda a verdade. De outra maneira, poderá perder Isma, o amor da sua vida, para sempre. E o que desvenda é surpreendente! 
Na sua cabeça soa um estribilho: I’ll be ok.







 Citações que destaco


"Onde existe uma verdade isenta de interrogações?"    Pág. 21


"As pessoas têm medo dos cemitérios, porque nunca estiveram neles com intenção de ficar"    Pág. 61


"...só somos realmente vulneráveis diante daqueles que nunca seremos capazes de atacar."    Pág. 170


"Errar é uma maneira de amadurecer."    Pág, 347


"Enquanto restar na Terra um único ser vivo que se lembre de nós, não morremos por completo."     Pág 349




Care Santos
 
Care Santos (Mataró, Barcelona, 1970) publicou seis romances, seis livros de contos e inúmeros títulos de literatura para jovens, área onde é uma das autoras mais lidas de Espanha.
Entre os seus títulos destacam-se Aprender a huir, Los que rugen e La muerte de Venus. Com este último foi finalista do Prémio Primavera em 2007.
É crítica literária do suplemento «El Cultural», do diário El Mundo, colaboradora de diversos meios de comunicação e coordenadora de conteúdos do website de crítica literária «La Tormenta en un Vaso.»
A sua obra encontra-se traduzida numa dezena de línguas.

2 comentários:

Tim disse...

fiquei sem vontade de o ler

Soberana da Noite disse...

A história é boa, mas o livro foi mal conseguido. Por isso, não perdes nada:)'mas o livro é lindo *-*